Chico e seu dilema fashion

Fechados ou mais vivos, os corais de diversas paletas permitem que o vermelho se destaque com o devido glamour até mesmo sob a batina papal
Por Anita Dimarco  Fotos Divulgação

Ele já foi associado à nobreza por Luís 14, representou a insurreição durante a Revolução Francesa, de 1789 a 1799, virou ícone do cinema contemporâneo nas passadas de Judy Garland, em O Mágico de Oz, e ajudou Julia Roberts a seduzir Richard Gere no filme Uma Linda Mulher; além, é claro, de desfilar nos pés papais há gerações. Então, não seria exagero dizer que a tonalidade de 2013 é o vermelho.
Vista em passarelas do mundo todo, e especialmente nos looks das celebridades, a cor já é destaque nos eventos mais sofisticados do globo. O rubro está em tudo: nos chiques vestidos de festas, passando pelos biquínis e acessórios como bolsas, cintos e brincos, até chegar aos icônicos múleos – os sapatos púrpuras usados pelo Sumo Sacerdote, no Vaticano. Os múleos são feitos à mão – alguns por artesãos, outros assinados pela Prada –, revestidos de cetim, veludo ou couro, sendo alguns modelos com cadarços de ouro. A matiz vibrante dos calçados representa o sangue de Cristo e usá-la no corpo significa estar disposto ao sacrifício – ainda que os mocassins pareçam confortabilíssimos!
Como não poderia deixar de ser, o novo representante da Igreja Católica, o argentino Jorge Mário Bergóglio, mostra estar preparado para mudar de vez o estilo dos papas. A começar pela alcunha escolhida: Francisco – um banho de modéstia numa dinastia enriquecida à custa da pilhagem, segundo revela a própria história. Por sinal, o próprio pontífice fez questão de espalhar aos quatro ventos que optou pelo nome em alusão à simplicidade de São Francisco de Assis e à frase “Não se esqueça dos pobres", dita pelo arcebispo emérito de São Paulo, Dom Cláudio Hummes, logo após a sua eleição.
Falando em atitude, o uso da indumentária branca e sem muitos adornos, e dos sapatos pretos, também despertou a atenção dos carolas fashionistas. Seria mais um para o time alvinegro? Ao que tudo indica, as botinas avermelhadas vão amargar uma temporada no armário.
No quesito protocolo, as novidades seguiram em ritmo semelhante. Dias depois de nomeado, o portenho santificado surpreendeu o atendente de uma ordem jesuíta de Roma ao ligar ele mesmo para falar com um padre amigo. É bom lembrar que nunca outro Papa fez ligações telefônicas, isso ficava a cargo de seus secretários. Testemunhas do fato fazem questão de completar a conversa: "Você é o novo Papa? Ah, sim, e eu sou o Napoleão". Como já afirmava o refrão de um rock brasuca – “o papa é pop!” – e ainda diria mais, ele está muito(ooo!) na moda.